Você está aqui:  Início
Nossa Missão

Manter a saúde e a qualidade de vida das pessoas, através do diagnóstico e do tratamento precoce das doenças digestivas.

 
Diagnóstico Precoce

O consumo de frutas e verduras frescas, água limpa e exercícios regulares são fatores protetores da saúde, em geral ,enquanto que o fumo, alimentos gordurosos e bebidas alcoólicas em excesso são chamados de fatores de risco e podem induzir doenças como o câncer, a cirrose do fígado e o infarto do miocárdio.

Por que muitos indivíduos expostos aos fatores de risco não desenvolvem as doenças acima mencionadas?


As razões são várias e, entre elas estão:

  1. uma menor exposição aos fatores de risco, por exemplo um consumo de bebidas alcoólicas, apenas moderado;
  2. o consumo concomitante de fatores protetores como os acima citados;
  3. a proteção conferida pelos genes herdados dos nossos pais.

Os genes determinam características bem conhecidas do corpo humano, tais como a altura e a cor dos olhos e que determinam as nossas semelhanças com os nossos familiares. Os genes também tem outras funções menos conhecidas e, entre elas está o estímulo ao  sistema imunológico, verdadeiro exército de células e anticorpos, que vigiam e nos defendem da agressão de fatores de risco para doenças.

As degenerações dos genes, chamadas mutações genéticas diminuem as nossas defesas contra as doenças. 

Mutações genéticas podem, ser adquiridas durante a vida de uma pessoa, por exemplo nos fumantes, mas também podem estar presentes no nascimento pois por herança genética dos nossos pais. Exemplos de mutações hereditárias que favorecem doenças e transmitidas a várias gerações das famílias são a absorção excessiva de ferro dos alimentos, que pode causar cirrose do fígado, câncer do fígado, diabetes ou doenças do coração.  Mutações genéticas em famílias que podem causar câncer da mama, dos intestinos e do pâncreas são comuns no nosso meio.

Mutações genéticas, portanto, podem ser causadas por exposição a fatores de risco ambientais conhecidos como o fumo ou herdados dos nossos pais. As mutações genéticas uma vez reconhecidas são consideradas , também,  importantes fatores de risco para doenças, especialmente o câncer.

É possível prevenir o câncer digestivo?

Sim, pois nos últimos 50 anos o conhecimento crescente dos fatores risco e o mapeamento dos genes humanos tornam possível recomendar medidas eficazes para a prevenção do câncer não só para os indivíduos quando consultam os seus médicos, mas também para grandes populações através de campanhas educativas.

A incidência mundial do câncer está aumentando e nas próximas décadas a maior parte dos casos de câncer atingirão os países em desenvolvimento, como o Brasil. No Rio Grande do Sul  os cânceres digestivos são comuns ao lado do câncer do pulmão, da mama, do colo uterino e da próstata

No nosso país há apenas tímidas ações de organizações não-governamentais (ONGs) para a prevenção, por exemplo, do câncer de mama e do câncer do intestino. Entretanto, há uma enorme omissão dos governos em promover programas eficazes, em larga escala populacional, para a prevenção do câncer no Brasil. Há, também, ausência de políticas eficazes para controlar o maior risco para o câncer, em geral, que é o fumo. Por exemplo, desestimular lavouras para as folhas do fumo e estimular a sua substituição  por outras culturas não danosas à saúde. Ainda mais, e, já houve estímulos fiscais de governos, no Rio Grande do Sul, para a expansão de indústrias fumageiras...

Cabe aos médicos e outros profissionais estimular o uso dos fatores protetores à saúde e alertar sobre o perigo da exposição aos fatores de risco para o câncer e outras doenças.

Cabe ao médico, também, identificando no seu paciente a presença de fatores de risco  orientá-lo para promover o uso racional de testes para o diagnóstico precoce de câncer.

       

Existe diagnóstico precoce para o câncer digestivo?


O câncer dos vários órgãos do sistema digestivo (esôfago, estômago, intestinos, fígado e pâncreas) está entre os mais comuns no Rio Grande do Sul. Indivíduos sem sintomas, mas expostos a fatores de risco para o câncer digestivo devem procurar o médico para exames que permitam um diagnóstico precoce. Nesses pacientes, a eventual identificação de células malignas ou pré-malignas e seu tratamento permite a cura na grande maioria. A orientação após o tratamento é o abandono dos fatores de risco e exames periódicos. 

Fatores de risco para o câncer digestivo

  • Idade maior de 50 anos
  • Fumantes
  • Bebidas alcoólicas: consumo freqüente 
  • Chimarrão: consumo freqüente 
  • Frutas e verduras frescas: baixo consumo
  • Azia freqüente, principalmente à noite
  • Sobrepeso ou obesidade, principalmente, abdominal
  • Diabetes Mellitus
  • História Familiar de Câncer
  • Bactéria Helicobacter pylori no estômago